“Escrever é enfiar um dedo na garganta. Depois, claro, você peneira essa gosma, amolda-a, transforma. Pode sair até uma flor. Pode sair até uma flor. Mas o momento decisivo é o dedo na garganta."

[C.F.A]

domingo, 25 de setembro de 2016

Quando a saudade não basta


Ao som de: Creep

Então vem você mais uma vez dizer que tem saudade e que ainda ama, depois de todos esses meses em que quase me convenci que estava tudo bem, vem você e me desconstrói inteira. Mas querido, teu romantismo barato não traz de volta o dinheiro que eu deixei no bar e nem as lagrimas que eu derrubei nos banheiros sujos das baladas.
Você diz: - Foi mal ter estado ausente, a vida tava corrida demais. Eu não pergunto com o que, porque não quero saber se teve outra, mesmo sendo obvio e nem te cobro nada, porque não vou voltar a mendigar atenção como sempre fiz, porque amor de verdade não precisa ser cobrado.
Suas desculpas não apagam os dias horríveis que eu tive e você não estava por perto. É 1:00 da manhã eu tenho a sensação de ter levado um soco no estômago, deve ser essa a sensação que dá quando a gente finalmente se toca que não era para ser, sabe? Porque mesmo que eu ainda morra de saudade a cada dia, eu já entendi que nunca foi, desde o começo e é uma droga admitir isso, mas é assim que a vida segue.

segunda-feira, 5 de setembro de 2016

E você nem se quer se lembra.

''Eu sinto sua falta quando eu não consigo dormir, ou logo após o café, ou quando não consigo comer. Eu sinto falta de você no banco da frente do meu carro''.
Ao som de: I hate u, I love u

Faz 365 dias desde o dia em que você decidiu ir embora, 365 dias que você não fez mais questão de lembrar de todos os planos que fizemos juntos, 365 dias que você me arrancou toda e qualquer capacidade de amar outro alguém. Mesmo que eu tenha conseguido seguir com a minha vida, eu não consigo saber quando será o dia em que eu vou acordar e não te ver nas coisas simples do dia, como quando eu acordo e percebo que a minha cama é grande demais só para mim ou quando chego em casa depois da faculdade e não tem ninguém me esperando.
Eu não consigo me recordar como chegamos ao fim, mas ainda lembro dos seus lábios e me dói pensar no quanto eu precisei de você nesses últimos meses, recusando qualquer ajuda que não fosse a sua e você nem se importou. Você nunca se importou.

sábado, 7 de maio de 2016

Que tal uma salva de palmas?

Gostaria de parabenizar por tudo que conseguiu fazer, por ter me enganado direitinho, me feito acreditar de novo no amor e nas pessoas, me enfraqueceu, me derrubou e me largou no chão em meio a lágrimas, meus sinceros parabéns, não é qualquer um que consegue me desarmar como você fez, me fazer demonstrar sentimentos,  do meu jeito estranho mas nunca lhe faltou provas de tudo que eu sentia e de tudo que eu era capaz fazer por ti.
E acima de tudo queria te agradecer por todas as situações que me fez passar, eu precisei te conhecer para perceber o quanto palavras podem ser falsas, até que ponto uma pessoa pode chegar para conseguir o que quer e depois mudar de ideia e descartar alguém como um mero objeto.
Eu te agradeço porque hoje eu sei que ninguém vai voltar a fazer comigo tudo que você fez. Jamais irei permitir que qualquer um encoste a mão em mim de novo, depois perdoar ao ler uma mensagem com um romantismo barato, isso é carência ao extremo. Nunca, mas nunca mais eu vou deixar que me diminuam, me façam acreditar de alguma forma que eu não sou bonita o suficiente, porque eu meu bem, sou sim! Sou muito melhor do que qualquer uma que você come por ai. Eu não preciso usar nenhuma roupa vulgar para chamar atenção, porque homem de verdade não repara nisso, e você para ser homem não falta idade não, falta inteligencia e isso você nunca vai adquirir andando com pessoas que você anda, vivendo a vida que você vive. Você tinha razão, eu não mereço isso. É uma pena saber que você sabendo disso não vez nada para mudar, preferiu me perder, ou nem mesmo fez questão, mas quer saber? Pra mim nada disso mais me importa, porque ficar em casa chorando por você não é uma coisa que combina mais comigo.

Ao som de: Take a bow